Depois de apontar que o crescimento da cristandade trouxe para seus ramos as mesmas aves que arrebatam a verdadeira semente que o semeador semeou, a parábola seguinte também fala de crescimento, ou mais precisamente da origem desse crescimento.

Antes que você acredite no que dizem alguns teólogos, que o fermento nesta parábola é o evangelho que faz o cristianismo crescer no mundo, faça uma busca pela palavra “fermento”em uma Bíblia eletrônica e verá que ela sempre aparece representando má doutrina ou má conduta. O fermento nunca é algo positivo.

Na parábola da semente de mostarda o reino dos céus é grande e influenciado pelas aves que vêm de fora. Nesta parábola a massa é corrompida pelo fermento que vem de dentro. No capítulo 20 de Atos o apóstolo Paulo adverte os cristãos de Éfeso: “Lobos ferozes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho”. Este é o ataque vindo de fora. “E dentre vocês mesmos se levantarão homens que torcerão a verdade, a fim de atrair os discípulos”. Esta é a corrupção vinda de dentro (At 20:29-30). Continue lendo »


Nas duas outras parábolas ficou claro que o semeador é Jesus e que o seu campo é o mundo. O significado da semente variava: na primeira era a Palavra de Deus e na outra eram as pessoas. Agora a semente é de mostarda e a ênfase é colocada na planta que ela produz.

O reino dos céus começou tão pequeno quanto a menor de todas as sementes. Quem imaginaria que as crenças de um punhado de jovens de classe média liderados por um carpinteiro seriam adotadas por mais de um terço da população da Terra? Hoje mais de dois bilhões de pessoas se dizem cristãs.

Aquela minúscula semente virou uma árvore grande o suficiente para as aves virem morar nela. Você já sabe quem é o semeador, o que é o campo, a semente e a árvore. E as aves? Quando quiser saber o significado de algo na Bíblia, pergunte à Bíblia. Por exemplo, no primeiro livro da Bíblia, Gênesis, você encontra uma serpente no jardim do Éden iludindo Adão e Eva. No último, Apocalipse, você lê sobre “o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás”(Ap 20:2). Assim fica fácil saber quem é quem. Continue lendo »


O mesmo semeador — Jesus — volta a semear. Na outra parábola a semente é uma só, a Palavra de Deus, mas os solos são diferentes e dão tanto resultados falsos como verdadeiros. Agora o semeador semeia uma semente que revela ser trigo, e o inimigo planta uma erva daninha muito parecida com o trigo. Estamos falando daqueles que são verdadeiros e falsos na esfera do reino dos céus.

O reino dos céus não é o céu e tampouco a igreja, mas a esfera dos que professam crer em Jesus, sejam eles genuínos ou não. A igreja não existia quando Jesus contou esta parábola, e só seria formada após sua morte e ressurreição. Leia o capítulo 2 de Atos para entender.

No campo, que é o mundo, há falsos e verdadeiros, mas na igreja, que é o corpo de Cristo, o conjunto dos que foram salvos por ele, todos são genuínos. Quando falo “igreja”não estou falando das organizações ou denominações que os homens chamam de “igrejas”. Nelas são as próprias pessoas que se tornam membros. No corpo de Cristo é Jesus quem acrescenta os membros. Continue lendo »


“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.” Filipenses 4:6

A oração é uma dádiva da qual podemos desfrutar ininterruptamente. O ato de conversar com Deus é um privilégio imensurável, o qual está disponível a nós em todas as horas, e talvez por isso seja uma atitude frequentemente subestimada e menosprezada.

Sabemos que o Espírito Santo nos acompanha aonde formos, e temos liberdade para falar com Deus onde estivermos não importam as eventualidades. Não há limitações quando o assunto é oração. Deus sabe tudo sobre nós, sabe o que diremos, pediremos ou pelo que agradeceremos. Portanto, não faz sentido tentar esconder nada dEle.

Estejamos livres para conversar com o Pai de maneira sincera e de coração aberto, pois as Escrituras evidenciam o quanto Ele valoriza tal atitude. Falar com Deus é capaz de transformar nossos ânimos, renovar nossas forças e mudar nossas perspectivas em relação aos mais diversos assuntos.

Quando nos sentirmos aflitos, sabemos que Ele estará disposto a nos ouvir e nos preencher com a Sua maravilhosa paz. E, quando estivermos contentes, Ele espera que oremos mesmo assim, e não apenas em momentos de angústia, mas em todos eles. Continue lendo »